quinta-feira, 26 de outubro de 2006

CORTÁZAR, O esmagamento das gotas



O esmagamento das gotas

Eu não sei, olhe, é terrível como chove. Chove o tempo todo, lá fora fechado e cinza, aqui contra a sacada com gotões coalhados e duros que fazem plaf e se esmagam como bofetadas um atrás do outro, que tédio. Agora aparece a gotinha no alto da esquadria da janela, fica tremelicando contra o céu que esmigalha em mil brilhos apagados, vai crescendo e balouça, já vai cair e não cai, não cai ainda. Está segura com todas as unhas, não quer cair e se vê que ela se agarra com os dentes enquanto lhe cresce a barriga, já é uma gotona que pende majestosa e de repente zup, lá vai ela, plaf, desmanchada, nada, uma viscosidade no mármore. Mas há as que se suicidam e logo se entregam, brotam na esquadria e de lá mesmo se jogam, parece-me ver a vibração do salto, suas perninhas desprendendo-se e o grito que as embriaga nesse nada do cair e aniquilar-se. Tristes gotas, redondas inocentes gotas. Adeus gotas. Adeus.

3 comentários:

Anônimo disse...

achei "O Esmagamento..." aqui à sua procura, ao acabar de lê-lo em "Histórias de Cronópios e de Famas".
Meu objetivo é mandá-lo, esse que esmagou meu coração em gotas, aos meus amigos.
Obrigado por tê-lo em seu Álbum Zútico
Walter Moreno
www.wlatermoreno.net

Anônimo disse...

Achei "O Esmagamento..." aqui à sua procura, ao acabar de lê-lo em "Histórias de Cronópios e de Famas".
Meu objetivo é mandá-lo, esse que esmagou meu coração em gotas, aos meus amigos.
Obrigado por tê-lo em seu Álbum Zútico
Walter Moreno
www.waltermoreno.net

Liliane Lima disse...

Quem sao os personagens do conto ?

Total de visualizações de página