domingo, 21 de janeiro de 2007

Anna Akhmátova (Caderno Russo III)



RÉQUIEM: UM CICLO DE POEMAS
(1935-1940)


RÉQUIEM

Não, não foi sob um céu estrangeiro,
nem ao abrigo de asas estrangeiras –
eu estava bem no meio de meu povo,
lá onde o meu povo infelizmente estava.




PRÓLOGO

Houve um tempo em que só sorriam
os mortos, felizes em seu repouso.
E como um apêndice supérfluo, balançava
Leningrado, pendurada às suas prisões.
E quando, enlouquecidos pelo sofrimento,
os regimentos de condenados iam embora,
para eles as locomotivas cantavam
sua aguda canção de despedida.
As estrelas da morte pairavam sobe nós
e a Rússia inocente torcia-se de dor
sob as botas ensangüentadas
e os pneus das Marias Pretas.



EPÍLOGO


Aprendi como os rostos se desfazem,
como o pavor dardeja sob as pálpebras,
como a dor sulca a tabuinha do rosto
como seus rugosos caracteres cuneiformes,
como os cachos negros ou cinzentos
de um dia para o outro se prateiam,
como em lábios submissos o sorriso fenece
e, com um risinho seco, como se treme de medo.
E não é só por mim que rezo,
mas por todas as que estiveram lá comigo,
no frio selvagem, no tórrido mês de julho,
em frente à muralha rubra e cega.

2 comentários:

c braz disse...

O verso da Marina T. "Teu nome – pedra de gelo na fala" parece irmão do "deus, uma pedra de gelo ancorada no riso", da H. Hilst.

Liduina Moura disse...

Falo de longe - para os abismos da geografia - falo de perto: Manaus, Amazonas, para quem gosta de encontrar um espaço, ilha, mochila, fogueira, alguma coisa que dê aconchego, que guarde calor e que tenha sopro de novidade, mesmo ancorado no passado: seu blog. Achei o máximo. Também gosto dos nomes, citações, metáforas e o necessário inconformismo. Valeu procurar no google algumas árvores e encontrar folhas soltas de várias estações. Sou publicitária e faço uma coluna no www.oestadodoamazonas.com.br pena que não vivo de escrever o que mais gosto. E parabéns pelo blog

Total de visualizações de página